Não falamos de Hitler: o silêncio da historiografia sobre o nazismo entre 1945-1960

Palavras-chave: Nazismo, Historiografia, Holocausto

Resumo

Com o fim do governo Nacional-Socialista em 1945, a Alemanha entrou em um período de reconstrução e reorganização que abrangeu todos os campos da vida social. Os primeiros anos após a Segunda Guerra foram caracterizados pela nova configuração política e pela orientação ideológica na adequação à Guerra Fria. No espaço acadêmico, esse período apresentou determinados aspectos da pesquisa do passado alemão, com repercussões políticas interferindo na forma como os historiadores analisavam e interpretavam o nazismo. O presente artigo busca observar as principais características da historiografia entre 1945 e 1960 com o objetivo de identificar a ausência de estudos sobre esse tema. Derivados da tendência em ignorar o passado recente para priorizar a reconstrução, os estudos escritos nesse período formavam uma exceção que demonstrava uma inclinação ideológica nas suas interpretações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Feital Monteiro, Universidade de Brasília

Doutorado em andamento em História pela Universidade de Brasília. Possui graduação em História pela Universidade de Brasília (2012) e mestrado em História pela Universidade de Brasília (2016). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: Nazismo, Fascismo, Totalitarismo, Antissemitismo, Holocausto, Segunda Guerra.

Referências

BUTLER, Rohan. The Roots of National Socialism, 1783-1933. London: Faber & Faber, 1941.

DAWIDOWICZ, Lucy S. The Holocaust and the Historians. Cambridge: Harvard University Press, 1981.

FREI, Norbert. Adenauer’s Germany and the Nazi Past: The Politics of Amnesty and Integration. New York: Columbia, 2002.

FRIEDLÄNDER, Saul. Trauma, transference and "working through" in writing the history of the "Shoah". History and Memory, v. 4, n. 1. Bloomington: Indiana University Press, 1992.

HILBERG, Raul. Sources and Their Uses. In: BERENBAUM, Michael; PECK, Abraham J (ed). The Holocaust and History: The Known, the Unknown and the Reexamined. Bloomington: Indiana University Press, 1998.

KERSHAW, Ian. Hitler, the Germans and the final solution. New Heaven: Yale University Press, 2008.

KNUDSEN, Jonathan B. Friedrich Meinecke (1862-1954). In: LEHMANN, H.; MELTON, J. (Eds.). Paths of Continuity: Central European Historiography from the 1930s to the 1950s. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

MCGOVERN, William Montgomery. From Luther to Hitler: The History of Fascist-Nazi Political Philosophy. George G. London: Harrap And Co.ltd., 1941.

MEINECKE, Friedrich. The German Catastrophe. Boston: Beacon Press, 1969.

NEUMANN, Franz Leopold. Behemoth: The structure and practice of National Socialism, 1933-1944. New York: Harper & Row, 1966.

RITTER, Gerhard. Xeque-mate ao ditador. São Paulo: Senzala, 1968.

SCHULZE, Winfried. German Historiography from the 1930s to the 1950s. In: LEHMANN, H.; MELTON, J. (Eds.). Paths of Continuity: Central European Historiography from the 1930s to the 1950s. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

SCHWABE, Klaus. Change and Continuity in German Historiography from 1933 into the Early 1950s: Gerhard Ritter (1888-1967). In: LEHMANN, H.; MELTON, J. (Eds.). Paths of Continuity: Central European Historiography from the 1930s to the 1950s. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

SHIRER, William L. Ascensão e Queda do Terceiro Reich. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

TAYLOR, A. J. P. The Course of German History: A survey of the development of Germany since 1815. New York: Coward McCann, 1962.

Publicado
2022-12-26
Visualizações
  • Artigo 35
  • PDF 29
Como Citar
Monteiro, G. (2022). Não falamos de Hitler: o silêncio da historiografia sobre o nazismo entre 1945-1960. Escritas Do Tempo, 4(12), 31-54. https://doi.org/10.47694/issn.2674-7758.v4.i12.2022.3154