EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DE ALUNOS SURDOS: UM FOCO NA TRADUÇÃO

  • Vitoria Caroline do Nascimento Luz
  • Carla Cristina Coelho Carvalho
  • Valdineia Rodrigues Lima
  • Alexandra Sousa de Carvalho Santos
  • Débora Lima Oliveira
  • Daniela Arruda dos Santos
  • Ivanete Cirqueira e Souza
  • Osmar Tharlles Borges de Oliveira
  • Walber Christiano Lima da Costa

Resumo

No século XXI, os debates no campo educacional estão diretamente ligados às temáticas relacionadas às pessoas com necessidades educacionais especiais. E se levarmos em consideração as políticas públicas atuais e entre outras coisas, a proposta inclusiva aponta para uma escola que acolha a todos em suas diferenças. “Educação para Todos”, “Educar na Diversidade”, “Respeito à diferença” são algumas das ideias que constantemente são debatidas em sociedade.
No campo da Educação Matemática, tem sido constante o debate sobre esse poder dar conta de além de poder resolver os problemas históricos que cercam o ensino da disciplina matemática, também poder oferecer um melhor aprendizado para as pessoas com deficiência. Surge aí a tendência nominada educação matemática inclusiva.
Stainback; Stainback (1999) destacam que a promoção de ambientes educacionais flexíveis e sensíveis às necessidades singulares de todo aluno não é uma tarefa fácil no âmbito da educação tradicional, haja vista que para muitos educadores é difícil de se desprender de suas práticas que muitas vezes não se atentam para as pessoas com deficiência. Fleury (2006, p.509) por sua vez disserta que para o educador que atua com alunos especiais “torna-se necessário desenvolver novas estratégias de comunicação, múltiplas linguagens e técnicas didáticas”. A dificuldade apresentada por crianças com deficiência nas escolas regulares tem que ser compreendida pelos profissionais da educação, ou seja, a escola não pode ignorar tais reclamações. Precisa efetivar a prática do Atendimento Educacional Especializado (AEE).
Diante do exposto e tomando como referência que o professor de matemática que está sendo formado nos cursos de graduação precisa estar sensível e buscar a preparação para o cenário inclusivo, se atentando para as especificidades das pessoas com deficiência, no caso específico desta proposta para os alunos surdos, o projeto que foi executado teve como objetivo de investigar as influências do uso do modelo referencial da linguagem pelos alunos surdos no aprendizado da matemática.
A escolha pelo modelo referencial da linguagem nos aspectos da tradução se devem pelo fato de que a partir de leituras da filosofia de Wittgenstein (1993; 1979), vemos que muito do ensino de matemática para surdos passa pela referencialidade, derivando da tradução conhecida como “palavra por palavra”.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-07-30
Visualizações
  • Artigo 112
  • PDF 71
Como Citar
Luz, V., Carvalho, C., Lima, V., Santos, A., Oliveira, D., Santos, D., Souza, I., Oliveira, O., & Costa, W. (2019). EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DE ALUNOS SURDOS: UM FOCO NA TRADUÇÃO. Seminário De Projetos De Ensino (ISSN: 2674-8134), 3(1). Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/spe/article/view/519

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)