Maria Bonita de Tocantinópolis: história de vida de uma mãe-de-santo do Norte Tocantinense

Palavras-chave: história de vida, biografia, personagem etnográfico

Resumo

A investida deste trabalho se dá sobre Maria do Rosário, mais conhecida como Maria Bonita, mãe-de-santo pertencente à tenda São Jorge Guerreiro, moradora da cidade de Tocantinópolis, natural de Serra da Cinta – MA. Esta carrega consigo uma gama de narrativas míticas, onde aparecem personagens das sessões de cura da tenda em questão. Me interessa saber como Caboclos, Orixás e Pombagiras influenciam a construção da identidade (história de vida) desta personagem. Na literatura antropológica pouco se falou sobre esses encantados da região Norte. O foco central dessa pesquisa é apresentar um estudo da história de vida de Maria Bonita, que além de mãe-de-santo é vista como benzedeira, parteira, curandeira e filha dedicada aos encantados; entretanto sua trajetória é marcada pelo contraditório, são momentos de descrença e solidão, apesar da ajuda de companheiros invisíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Barros dos Santos, Universidade Federal do Maranhão
Mestrando em Sociologia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA/ Imperatriz-MA).
Rogério de Carvalho Veras, Universidade Federal do Maranhão
Doutor em História. Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA/Imperatriz-MA).

Referências

AHLERT, Martina. Carregado em saia de encantado: transformação e pessoa no Terecô de Codó. Etnográfica, v. 20, n. 2, pp. 275-294, 2016.
AUGRAS, Monique. O duplo e a Metamorfose: A identidade mítica em comunidades nagô. Petrópolis – RJ: Editora Vozes, 1983.
BARROS, Rachel Rocha de Almeida. O filho de uma rainha – reflexões sobre parentesco ritual e seus paralelos com a vida terrena. Disponível em: https://docplayer.com.br/25296558-O-filho-de-uma-rainha-reflexoes-sobre-parentesco-ritual-e-seus-paralelos-com-a-vida-terrena.html.
BASTIDE, Roger. O sagrado Selvagem. Revista Caderno de Campo, v. 2, n. 2, 1992. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/40311/43196.
BOYER-ARAUJO, Veronique. “Macumbeiras” e “crentes”: as mulheres veem os homens. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, PPGAS, p. 131-142, 1995.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Os Deuses do Povo: um estudo sobre religião popular. São Paulo: Brasiliense, 1986.
DEBERT, Guita G. Problemas relativos à história de vida e história oral. In: CARDOSO, Ruth (Org.) A Aventura Antropológica: teoria e pesquisa. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
FERRETI, Mundicarmo Maria Rocha. Desceu na Guma: o Caboclo no Tambor de Mina no processo de mudança de um terreiro de São Luís – A casa Fanti-Ashanti, São Luís-MA: Sioge, 2000.
GOLDMAN, Marcio. A construção ritual da pessoa: a possessão no Candomblé. Religião e Sociedade, São Paulo, v. 1, n. 12, p.22-54, ago. 1985.
LEVI, Giovanni. Os usos da biografia. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV,1998. p. 167-182
LIMA, Ivan Costa; SILVA, Jaqueline Dayane C. da; SINDEAUX, Juliana Barbosa. Mulheres de Terreiro em Marabá: suas falas e representações. Anais da V REA – Reunião Equatorial de Antropologia, Maceió – AL, jul. 2015.
VILLACORTA, Gisela Macambira. “Pajelança e encantaria amazônica”. In: PRANDI, Reginaldo (org.). Encantaria brasileira: o livro dos mestres, caboclos e encantados. - Rio de Janeiro: Pallas, 2002. p. 20-45.
RABELO, Miriam. A possessão como prática: esboço de uma reflexão fenomenológica. Mana, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 87-117, abr. 2008.
ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Nova Aguilar, 1994.
SCAMPA, Pe. Carmelo Di Gregorio. Dom Cornélio Chizzini. Diocese de Tocantinópolis – TO, 1991.
SODRÉ, Jaime. Da Diabolização à Divinização: a criação do senso comum. Salvador: EDUFBA, 2010.
VENÂNCIO, Sariza Oliveira Caetano. Tenda Espírita Umbandista Santa Joana d’Arc: a Umbanda em Araguaína. 2013. 200p. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão. São Luís: CPGCS/UFMA.
______; ARRUDA, Mayane Rumão de Souza. Fazer-se mãe de santo: uma trajetória espiritual de Maria Luiza da Conceição. In: SILVA, Idelma Santiago... et al (Org.) Mulheres em perspectiva: trajetórias, saberes e resistências na Amazônia Oriental. Belém: Paka-Tatu, 2017.
Publicado
2020-06-30
Visualizações
  • Artigo 163
  • PDF 105
Como Citar
dos Santos, B., & Veras, R. (2020). Maria Bonita de Tocantinópolis: história de vida de uma mãe-de-santo do Norte Tocantinense. Escritas Do Tempo, 2(4), 222-245. Recuperado de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/escritasdotempo/article/view/1215
Seção
v. 2 n. 4 (2020): Dossiê - Biografias e Trajetórias: vidas por escrito